Menu

Áreas de Concentração

 


Segurança dos Sistemas de Informação e das Redes

Estudo das medidas de disponibilidade, integridade, confidencialidade e das tecnologias de aprendizado de máquina, reconfiguração e reorganização adaptativa, detecção de incidentes, reação a incidentes, investigação e registro forense, e temas correlatos, relativamente às redes e sistemas de informação, em seus diversos paradigmas (em camadas, peer-to-peer, IoT, adhoc, adaptativas, heterogêneas), bem como processos vinculados à operação e gerenciamento desses sistemas.

 

Segurança da infraestrutura crítica de comunicações

No Brasil, a maioria dos serviços de telecomunicações é prestada pelo setor privado e, por diversas razões, a oferta diversificada de serviços é restrita aos grandes centros urbanos e a algumas cidades-polo. As regiões periféricas e mais remotas permanecem com a cobertura de apenas um ou nenhum operador.

Embora haja êxito nas metas de universalização da telefonia fixa, ainda há significativa parcela da população desatendida, particularmente nas áreas rurais e nas pequenas localidades, e os serviços ainda são oferecidos apreços altos.

Portanto, com o advento da tecnologia digital, a comunicação a longas distâncias prioritariamente se desenvolveu pela utilização de satélites, que implicam em receptores complexos e de alto custo. Além de persistem dificuldades técnicas devido à densidade do ar que causam dificuldades na recepção.

Nesse contexto, e considerando as características de propagação na faixa de HF, que possibilitam grande área de cobertura por meio de uma única emissora, a transmissão digital em HF ressurge como uma tecnologia estratégica de Comunicações Digitais de Interesse da Academia, Forças Armadas e Sociedade Civil.

Por volta do ano de 2000 começou a ser desenvolvido na Europa um sistema de comunicação digital em HF, o chamado DRM que implica em receptores de baixo custo e longo alcance, já que o meio de transmissão é a ionosfera.

No entanto, para a faixa de Ondas Curtas só existe um proponente, denominado de Digital Radio Mondiale – DRM (ETSI ES 201 980 V4.1.1, 2014-01), e segundo recomenda a União Internacional de Telecomunicações poderá ser adotado por todos os países do mundo (Rec.ITU-R BS.1514-1, 2002).

Hoje o sistema DRM é um padrão internacional – DRM (ETSI ES 201 980 V4.1.1, 2014-01), podendo ser utilizado na forma Civil ou Militar. Assim, se faz necessário seu estudo no Brasil já que a dimensão territorial favorece tal tecnologia.

Nesse contexto, são de interesse as comunicações digitais em HF, com sugestões de temas referentes a estudos de disponibilidade, estabilidade, tolerância a falhas, confidencialidade através do padrão digital DRM (Digital Radio Mondiale) para HF, aprendizado de máquina, processamento de sinais, antenas de alto ganho para HF, propagação segura pela ionosfera, reconfiguração e reorganização adaptativa, detecção de incidentes, reação a incidentes, e temas correlatos, relativamente aos sistemas de telecomunicações com fio e sem fio, bem como processos vinculados à operação e gerenciamento desses sistemas.